Grafologia Forense & Grafopericia

Acesse aqui o nosso E-Book sobre Grafoperícia!

OBJETIVOS DA GRAFOSCOPIA, GRAFOLOGIA FORENSE E GRAFOPERÍCIA

Neste campo da Grafologia você encontrará a maneira correta e simples, de  como manipular um documento duvidoso, tanto na cena do crime quanto nos escritórios; como realizar uma amostragem grafológica adequada, tipo de material que deve ser anexado, questionários ou requisitos apropriados, causas de retorno e, em geral, tudo destinado a um bom manuseio dos documentos como meio de prova.

Este campo da grafologia  é o resultado de estudos e práticas através de anos em uma base diária daqueles que  fizeram e colaboram na sua construção com o único desejo de ser conhecido por todo aquele que tem a responsabilidade de avaliar essas medidas para o bem de justiça e sociedade. Utilizado principalmente na área jurídica e pericia criminal. Observa-se aqui minunciosamente o material dos exames. Atestando-se a sua autenticidade/veracidade ou não.

MATERIAL DE EXAME

MATERIAL DUPLO: Falsidade contestada. Fazer referência ao material que oferece dúvidas, como assinaturas, manuscritos, documentos de identificação, papel-moeda, etc. E, em geral, qualquer material que possa ser falsificado. Cabe ao grafoperito  identificar e testificar a idoneidade e veracidade dos documentos e assinaturas. O perito grafotécnico utilizará todas as técnicas de pericias nas peças testes e padrões.

O CUIDADO QUE VOCÊ TEM QUE TER DOS DOCUMENTOS: “É necessário fazer uma distinção clara dos documentos e peças para o exame pericial. São questionários todos aqueles manuscritos ou documentos cuja origem tenta estabelecer por meios técnicos. Estes documentos, por razões óbvias, não são suscetíveis de melhorias para os fins do exame pericial. Tudo o que pode e deve ser feito é mantê-los cuidadosamente, tentando não perfurá-los, dobrá-los ou alterá-los de qualquer maneira. Neste caso dos escritos anônimos, nunca será suficiente insistir para que os rigorosos testes dactiloscópicos sejam praticados imediatamente, a fim de revelar as impressões digitais que eles podem conter. Obviamente, o documento deve ser manuseado com o máximo de cuidado e devidamente embalado para evitar que desapareçam ou se torne tão confuso que a identificação se torne impossível “.

MATERIAL INDUBITADO: Reconhecido como autêntico e que não oferece dúvidas. Estas expressões são usadas para nomear o material que serve como um modelo de referência legítima nas diferentes conceitos que são emitidos pode ser: amostras caligráficas retirados de suspeitos pela autoridade que conduz a investigação, digitando textos retirados diretamente da máquina de escrever envolvidos e padrões legítimos de contas, formulários, etiquetas, documentos, etc. Solicitado pelas autoridades à entidade que as produz ou distribui.

MATERIAL EXTRAPROCESO: Reconhecido como genuíno e que é elaborado em documentos relativos ao anterior ou posterior à elaboração das perguntas, tais como cheques, recibos, cartas, diários ou qualquer outro documento que são conhecidos por certos os tempos agressor.

O QUE É DOCUMENTAÇÃO E GRAFOLOGIA FORENSE

DOCUMENTOLOGIA: É o estudo de todos os tipos de documentos que tendem a esclarecer a sua autenticidade ou falsidade, aplicando as técnicas e os meios necessários.Surgiu e criou corpo dentro da criminalística.

GRAFOLOGIA FORENSE: É o estudo de manuscritos,  rubricas ,assinaturas e características, a fim de esclarecer as patologias existentes no escritor, bem como se o mesmo fez uso de psicotrópicos ou não, etc.

CIÊNCIAS AUXILIARES: Para realizar estudos em documentologia e grafologia forense, o técnico auxilia em química, fotografia, óptica e artes gráficas.

DOCUMENTO: Qualquer apresentação gráfica, feita em qualquer superfície com qualquer instrumento que represente os pensamentos ou idéias de uma pessoa.

O QUE OS ESTUDANTES ESTUDAM?

Eles desenvolvem dois tipos de estudos:

· GRAFOLOGIA: Em cada caso, você pode estabelecer a personalidade do escrevente, bem como detectar patologias, ou uso de psicotrópicos através da grafia analisada. Estudamos :

-Textos
– assinaturas
– recursos
– Manuscritos.

· DOCUMENTOLÓGICO: Neste tipo de estudos é possível determinar autenticidade, falsidade ou alterações.

Valor do título: verificações

· DOCUMENTOS PESSOAIS:

– Cartão de cidadania
– passaporte
– licenças para porte de armas de fogo
– Cartilha militar.

· CURRENCY PAPER: Foreign National

 

· STAMPS:

– Molhado
– seco
– Protectógrafos

· OUTROS:

– faturas
– letra de câmbio
– Contratos
– Formatos
– selos
– Loterias
– Tags

COMO O MATERIAL DE ESTUDO ESTÁ CLASSIFICADO

DUBITADO: São aqueles documentos sobre os quais há dúvidas sobre sua origem ou origem

INDUBITADO: Qualquer documento cuja autenticidade é inquestionável ou sua origem conhecida.

COLEÇÃO DE AMOSTRA

Quem pode ajudá-lo a coletar amostras?

O laboratório de Criminalística da Polícia Nacional  possui pessoal qualificado nestas áreas que pode assessorar e receber tecnicamente as amostras necessárias.

Como amostras devem ser recebidas quando se lida com:

MANUSCRITOS:

– Diga um texto diferente para a pergunta, inserindo palavras da dúvida escrita
– Você deve levar em conta o tipo de papel, elemento escritor (tinta úmida ou pastosa), tipo de gráfico (itálico, impressão, maiúsculas, minúsculas, números).
– Não permita que a amostra tenha acesso ao documento duvidado.Nunca!
– Tanto quanto possível, envie material extraprocesso (cadernos, cadernos, agendas, etc.) da amostra.
– Não guie o amanuense sobre ortografia, pontuação e acentos.
– Tome pelo menos uma amostra com a mão direita menor.
– Quando a simulação é apreciada pelo amanuense, você deve solicitar escritas extraprocessadas.

TEXTOS MECANOGRÁFICOS:

· Identifique a máquina de escrever para a qual as amostras, séries, classes, marcas e modelos serão retirados.
· Transcreva o texto da dúvida mínima três vezes (da mesma maneira que as fontes aparecem).
· Tire uma amostra de todos os sinais que compõem o teclado da máquina sem deixar espaços em branco.
· Quando se trata de máquinas elétricas, pegue a amostra nos diferentes tipos de letras na máquina e nos diferentes espaços gráficos.

Moeda de Papel, Impressos, Loterias, Selos, Etiquetas e Embalagens:

Você deve enviar os padrões originais, obtendo-os diretamente em impressoras, instituições de caridade, aluguéis de departamentos, etc.

Quantidade: mínimo dois ou três padrões.

  • Obs: Para a Grafoperícia , quantidade minima: 20 amostras boas, o que significa colher pelo menos 60.

SELOS DE AMOSTRA

WETLANDS

– Umedeça a almofada com muita tinta, tendo em conta a cor da usada na dobragem.
– Pegue o carimbo ou o suporte da imagem, entenda e continue a carimbar até que a tinta do mesmo esteja esgotada.
– Realize a operação acima várias vezes aplicando pressão em diferentes ângulos.

SECO:

– Colher amostras em vários fólios com diferentes pressões.

CAUSAS DE RETORNO

Falta o documento original questionado.

Pouca quantidade, para os estudos grafológicos, é necessário ter um grande número de amostras manuscritas.

Falta de variedade, na amostragem devem ser intercaladas letras, frases e figuras análogas às que apresentam o texto questionado.

A falta de similaridade, para a realização de um estudo, é necessário ter um padrão com as mesmas características do documento em que a dúvida está.

A falta de contemporaneidade, para os estudos documentológicos e grafológicos são necessários que tanto o material dubitado como indubitado são da mesma época.

Os documentos apresentados não são bem identificados.

Quando os documentos são enviados sem questionário.

QUESTIONÁRIO JUDICIAL

O questionário deve incluir:

· Apresentar, de forma clara e ordenada, as questões que devem ser esclarecidas pelo especialista, de acordo com o  Código de Processo Penal.

· Determinar a localização exata dos documentos sujeitos a exame, indicando-os por números de páginas, datas, notários, etc.

· Identifique quais são os documentos dúbios e indubitados.

 

NÃO É POSSÍVEL RESPONDER A INTERROGATÓRIOS COMO:

– “Qual era o humor do amanuense no momento da escrita ou se ele estava sob ameaça?”

– “Qual é o temperamento e caráter”?( Só o Grafologo pode responder sobre aspectos da personalidade do escrevente)

– “Sexo, raça e idade?

– “Determinar a idade do documento, escrito ou carimbo”?

“Quem executou o golpe adicionado?

 

EXEMPLIFICAÇÃO DA AMOSTRAGEM

Se o documento suspeito, por exemplo, for um cheque feito com uma caneta esferográfica, é aconselhável levar a amostra na mesma forma impressa e com um instrumento de escrita análogo. Da mesma forma, pode ser necessário convidar o autor a observar certas condições, devido ao gênero da escrita, como “roteiro com letra maiúscula”, em letra cursiva ou roteiro comum, “romance de caráter”, etc.

Em princípio, NÃO é necessário formular nenhuma instrução relacionada à ortografia, espaçamento e pontuação, pois isso poderia induzir em erro o especialista. Se a escrita questionada contém erros de ortografia, um vício um tanto vago deve ser adotado para não “bloquear” desnecessariamente o escritor.

O funcionário que vai fazer a amostragem deve primeiro levar em conta o documento de dúvida.

A amostragem deve ser MÍNIMA 6 (seis) folhas completas,vinte amostras boas.

A PRIMEIRA TOMADA DEVE SER LIVRE, o que quer que a pessoa possa escrever.

O litígio deve ser sempre ditado no final da amostragem.

Uma vez que a amostra foi colhida, deve ser retirado imediatamente do ponto de vista do escritor, faze-la assinar com número de identificação, continue com a próxima tacada e ir já enumerando que tem sido feito.

 

NOTA: Com base nas instruções dadas a você, a amostragem pode ser feita por qualquer funcionário de seu escritório, desde que perito judicial e nomeado pelo juiz.

ASSINATURAS E MANUSCRITOS

O documento original deve ser enviado

O estilo de letras semelhantes intercalando palavras, frases, letras, figuras ou combinações análogas às apresentadas pelo texto questionado.

 

Qualidade respeito deve fazer semelhança entre a recolha e INDUBITADO X DUBITADO papel em relação à classe (revestidos ou não revestido, de papelão), um instrumento utilizado (caneta, estilete, marcador, lápis) e circunstâncias de produção.

Quando houver falta de espontaneidade nas amostras caligráficas tomadas, solicite material de processo extra contemporâneo ao documento de dúvida.

Deve rotular o nome do autor do número de identificação amostras bíblica, se  é ambidestro,  escreve com a mão esquerda ou direita, se tiver dificuldade em escrever, alterações físicas ou doenças que impedem ou afetam o desempenho da empresa ou ditado. A POSIÇÃO do amanuense também deve ser anotada no momento da produção do teste de escrita (em pé, sentado, etc.) e o número do arquivamento ou processo.

TEXTOS MECANOGRÁFICOS:

Deve ser evitado em ORIGINAL

Estilo de letra semelhante ao documento peça teste

Deve levar em conta o espaçamento, margens, tipo de formato, tipo de papel, se a máquina é elétrica ou mecânica. Faixa de opções ou tipo de elemento de impressão do documento dubitado.

Quantidade: Mínimo de três folhas completas.

Rotulagem: Marca da máquina de escrever, modelo, número de série, estado de conservação, se é eléctrico ou mecânico e se foi reparado.

CAUSAS DE RETORNO

A seguir estão as causas para o retorno do material:

O ORIGINAL DO DOCUMENTO PERGUNTA ESTÁ AUSENTE

PEQUENA QUANTIDADE: Maior amostra caligráfica, sem dúvida necessária. Não menos que três (3) planos completos podem ser aceitos para qualificação

FALTA DE VARIEDADE: na amostragem deve ser habilmente intercalada com letras, frases e figuras análogas às apresentadas pelo texto questionado, sem nenhum motivo as palavras se repetem indefinidamente sem sentido. (Copie N vezes o nome Pedro ou preencha um apartamento com os números de 1 a 10).

DIVERSIDADE DO MATERIAL: Deve haver semelhança entre a coleção duvidosa e inquestionável. (Consiste reconstrução medida do possível, as circunstâncias em que, presumivelmente, foi preparado o documento, se a cédula ou cheque, digamos, por exemplo foram feitos com caneta deve coletar a amostra com este elemento escritor, se o emprego Se você tiver certeza de que o documento foi feito em pé, a amostra será tirada nesta mesma posição).

 

GLOSSÁRIO

¯ ABERTURA: Grau de abertura das ovais das letras: “a”. “O”, “d”, “g”, etc.
ADULTERAÇÃO: Alteração da natureza, características ou qualidades de alguma coisa.
¯ ALTERAÇÃO: Modificação de um documento adicionando novos elementos ou por exclusão.
MANUENSE: Escrever ou escrever assunto.
¯ ANALOGIA: Relação ou semelhança na forma, dinâmica ou ritmo de dois escritos colacionados ou confrontados.
ANGULOSE: Script de tipo que substitui as curvas caligráficas por ângulos.
¯ APÓCRIFO: Escrito falso, suposto ou falso.
¯ ARCOS: Curvatura da concavidade inferior.
¯ HASTE: Curso das extremidades superiores das letras longas, marcas intermediárias superiores ou superiores.
ATAQUE: Ajuste, parte inicial do traço.
AUTENTICIDADE: Qualidade do documento cujo autor e conteúdo correspondem à realidade.
AUTOMATISMO: movimento involuntário, subtraído do controle consciente.
¯ BARRAJE: Ação de colocar a barra do T, Ñ.
BORDAS: Contorno das linhas ou linhas.
LOOP: Contorno fino ou perfil, localizado nas extensões superior e inferior de certas letras.
¯ CALCO: Sistema indireto de imitação por transparência, projeção, punção, papel carbono, grafite ou pantógrafo.
CALIGRAFIA: Escreva com uma bela caligrafia.
CAMPO: Espaço plano no qual a escrita é feita.
¯ CONTEMPORANEIDADE: Refere-se ao período em que o material de comparação foi preparado, que deve ser similar ou aproximado ao do documento dublado.
COESÃO: Grau de ligação ou continuidade das orientações.
¯ CONSCIENTE: Escrita que vai contra a posição espontânea ou automática.
Coquetel: Espiral
COTEJO: Comparação ou comparação de dois atos ou documentos para estabelecer ou excluir sua inadmissibilidade.
CRIPTOGRAFIA: Escrita chave.
DESLOCAMENTO LINEAR: Orientação e forma da linha de base das diretrizes de redação.
¯ DEXTROGENA: Movimento orientado para o setor externo e a direita do plano ou que segue o curso das mãos do relógio.
DESCOBERTA: Escrevendo com variações acentuadas em seus aspectos de grafeno no mesmo texto.
EIXO LITERAL: Linha auxiliar imaginária que percorre as letras ou sinais longitudinalmente de cima para baixo.
¯ FACSIMILE: Cópia ou imitação perfeita de uma assinatura, escrita ou desenho.
¯ FILIGRANA: Marca d’água usada pelos fabricantes de papel como um distintivo de segurança.
GANCHO: Movimento angular e regressivo produzido por uma mudança repentina na direção do instrumento.
GESTO GRÁFICO: Elementos característicos e individuais de uma pessoa.
¯ GRÁFICO: Maneira de representar graficamente uma palavra.
¯ GRAMMA: É uma linha que se juntou com outra forma uma letra.
¯ GUIRNALDA: Traçado curvo da concavidade superior. Semelhante ao U
IDIOTISMO: Traço ou sinal típico do manuscrito.
INCLINAÇÃO: Ângulo formado pelo eixo literal em relação à limitação tangencial ou lateral.
INVOLUÇÃO: Rastreamento que resulta de um movimento curvo e envolvente.
EXTRAPROCESSAMENTO MATERIAL: São aqueles escritos ou documentos que não estão envolvidos no processo e que são emitidos como material que é duvidoso.
¯ MASSIVE: Escrevendo sotaque do tipo pressão

GRAFOLOGIA EM SALVADOR BAHIA
ENDEREÇO:
Av. Tancredo Neves, Edf. Ômega, Sala 902, EV - Caminho das Árvores, - Salvador/BA
Informações: (71) 99168-6750 / contato@suaescrita.com.br